• Ana Jorge

Nós, as nossas crianças e a Obesidade

Já considerada como sendo uma epidemia mundial e um problema de saúde pública, na verdade trata-se de uma causa de morte passível de prevenção.


agua aromatizada com morango

No próximo dia 22 de Maio é celebrado o dia da Luta contra a Obesidade. Um dia que visa sensibilizar a população para o problema da Obesidade e das doenças a ela associadas e para as consequências que tem na nossa saúde.

Já considerada como sendo uma epidemia mundial e um problema de saúde pública, na verdade trata-se de uma causa de morte passível de prevenção.


Fatores tais como o perfil genético, o ambiente socioeconómico, a cultura e as características individuais e psicológicas estão na sua base e podem, de maneira isolada ou em conjunto, contribuir para o desenvolvimento desta patologia.



No entanto, existem dois fatores que estando na sua base poderão ser a chave quando falamos de prevenção, são eles a Educação e a Família.

Falar de prevenção significa também atuar junto das camadas mais jovens sobretudo nas crianças e adolescentes.


Assim, através da Educação conseguimos dar informação aos mais pequenos e na Família conseguimos a concretização dessa informação. Em conjunto poderão ser a chave para travar esta epidemia que nos pode afetar a todos sem distinção.



Atuar junto das crianças, porquê?


  • Existe maior Plasticidade Comportamental

O nosso cérebro é como uma esponja e embora permaneça assim durante toda a nossa vida, são as primeiras experiências que irão permanecer e ditar os nossos pensamentos e ações enquanto adultos.

Se queremos implementar uma trajetória de vida nas nossas crianças, quanto mais cedo o fizermos mais chances teremos de ser bem sucedidos.


  • A Mudança custa menos

É também nos primeiros anos de vida que é mais fácil implementar mudanças, ou seja, é mais fácil para o cérebro mudar enquanto somos pequenos do que quando já somos adultos.



  • Os primeiros 1000 dias – Uma janela de oportunidade única

Está cientificamente estudado que as experiências alimentares que temos nos primeiros 1000 dias de vida, desde a conceção até aos dois anos de idade, irão afetar o crescimento e desenvolvimento da criança assim como influenciar a sua saúde e o risco para doenças crónicas não transmissíveis (tais como a Obesidade e Diabetes). Falar de prevenção significa começar a atuar cedo, ainda na Gravidez, sendo extremamente importante que a mãe e o bebé ainda no útero tenham uma alimentação saudável.



  • Os pais como Exemplo

“Ele repete tudo aquilo que eu digo e tudo aquilo que eu faço”. Para o bem e para o mal as crianças imitam-nos e nós somos o seu exemplo! Quando os pais têm um Estilo de Vida saudável mais provável será que os filhos também o tenham, sendo o oposto também verdadeiro.


No que diz respeito à alimentação, começar a refeição com um prato de sopa, servir um prato com uma boa porção de vegetais e terminar a refeição com uma peça de fruta são hábitos e comportamentos que ficam enraizados nas nossas crianças e que os irão acompanhar na sua vida futura.


Se o seu filho o vir calçar os ténis, pegar numa bola ou sair para caminhar irá certamente querer fazer o mesmo e até juntar-se a si na prática de atividade física. Mesmo que o objetivo seja competir consigo e ver quem corre mais rápido ou quem marca mais golos, aceite o desafio!


Dificilmente irá conseguir que os seus filhos tenham bons hábitos e rotinas de Sono se os pais também não os tiverem. Aproveite que os seus filhos precisam de mais horas de sono e quando os for deitar comece a preparar-se também a si para dormir. Reduzir exposição a ecrãs e ler um livro pode ser uma boa opção.


Trate os outros como gostaria que os seus filhos o tratassem a si. Eles observam e escutam todos os seus comportamentos e no futuro irão replicar. Gostava que os seus filhos fossem mais tranquilos e generosos? Tenha calma e explique-lhes dando o exemplo.



Educar pela positiva


À medida que os seus filhos crescem irão desenvolver e tentar “impor” a sua vontade e poderá ser mais difícil levá-los na direção que deseja. Tal como nos adultos, as crianças e adolescentes irão mudar porque sentem que isso irá trazer algum benefício. Perceba qual o benefício que o seu filho gostaria de ter, ou seja qual a motivação que ele poderá ter e associe a isso os comportamentos que quer implementar. Por exemplo: Se o seu filho gosta de jogar futebol, com certeza irá querer comer bem para poder correr mais rápido.



Envolver e torná-los Protagonistas



Quem não gosta de ser o protagonista ou ator principal da cena? Você até poderá não gostar, mas o seu filho provavelmente irá adorar. Incluir o seu filho nas atividades e torná-lo o protagonista poderá ser uma excelente estratégia para o envolver e “comprometer” naquilo que deseja. Já alguma vez experimentou chamá-lo para a cozinha para fazer uma pizza saudável? ou deixá-lo definir o trilho que irá percorrer consigo na volta de bicicleta e se for seguro, deixá-lo ir à frente?


Nós pais, educadores e cuidadores temos um papel fundamental na Luta contra a Obesidade. Temos o poder de atuar nos momentos certos, com a melhor ferramenta, Nós próprios! Lembre-se, você é o exemplo do seu filho, faça como gostaria que ele fizesse e seja quem gostaria que ele fosse.

18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo