• Ana Jorge

Setembro, o mês das lancheiras

Setembro, mês de regresso às aulas e este ano com novidades no que diz respeito aos lanches dos nossos miúdos.


agua aromatizada com morango

Em Agosto foi publicado um decreto cujo objetivo é impulsionar uma alimentação mais saudável entre os mais jovens desta vez através da proibição da venda de determinados alimentos nas escolas.


Na verdade, embora a taxa de obesidade entre os mais novos tenha diminuído nos últimos anos, a obesidade infantil continua a ser elevada no nosso país e o consumo de alimentos menos saudáveis (ricos em açúcar, gordura e sal) continua muito elevado.



Sendo as escolas um lugar de Educação, esta iniciativa foi no geral bem recebida pelos pais que agradecem e encaram estas medidas como necessárias e importantes para um crescimento saudável dos seus filhos. Contudo continuam a existir pais que alegam ter sido um exagero a proibição destes alimentos (menos saudáveis).


Assim, gostaríamos de deixar a nossa opinião em relação a algumas dúvidas/questões que normalmente surgem nestas situações:


1. “Não faço as melhores escolhas porque uma alimentação mais saudável é mais cara.”

Uma alimentação mais saudável não é mais cara e pode até ser mais barata. Legumes, fruta, leite, iogurtes não são mais caros do que batatas fritas, refrigerantes ou bolos. Tendo uma boa orientação em como compor refeições saudáveis e equilibradas é possível até que faça poupanças no que diz respeito ao budget familiar.



2. “O meu filho não gosta desta nova alimentação e vai passar fome ou vai comprar comida fora da escola.”

O objetivo destas medidas, para além de cortar o acesso diário a estes alimentos que não são saudáveis, é também incentivar os pais a seguir a mesma orientação. Casa e Escola devem estar em sintonia e esta poderá ser uma oportunidade para começar a implementar uma alimentação mais saudável na família. É assim importante reforçarmos junto dos nossos filhos que estes alimentos que foram agora retirados dos bares das escolas, são alimentos prejudiciais à saúde quando consumidos numa base regular. O que significa que podem ser consumidos sim, mas de forma esporádica.



3. “Não concordo porque não se deve proibir tudo de uma só vez.”

Várias medidas têm vindo a ser tomadas pelo nosso país ao longo dos últimos anos, principalmente no que diz respeito à composição dos alimentos, nomeadamente reduçã